Chamadas de Artigos

Mundorama organiza dossiê especial sobre Gênero, Políticas Públicas e Política Global

Mundorama – Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais é uma publicação on-line (ISSN 2175-2052) do Centro de Estudos Globais da Universidade de Brasília e procura acompanhar as últimas produções intelectuais no campo das ciências humanas. Como Revista de Promoção Científica em Relações Internacionais, tornou-se um importante canal de comunicação sobre a produção acadêmica brasileira, com foco nas conexões brasileiras com a América Latina e o Mundo. O advento da sociedade da informação e a construção da dinâmica de redes impactaram tanto a produção quanto o consumo de conhecimento. Mundorama procurou se alinhar à ‘cultura da convergência’, tornando-se uma plataforma de mídia que incentiva uma cultura participativa e a constituição de uma inteligência coletiva de escritores e leitores, orbitando em torno de questões relacionadas à política mundial do século 21.

A equidade de gênero é, sem dúvida, um dos pilares para a construção de sociedades justas e desenvolvidas. Esforços significativos foram feitos sobre direitos e políticas públicas das mulheres e, em alguma medida, da população LGBTI. O estabelecimento de órgãos políticos especializados nas estruturas governamentais e a espacialização dos serviços públicos mudaram o cenário institucional do Brasil e de outros países da América Latina, ampliando as responsabilidades do Estado. Apesar disso, as taxas crescentes de feminicídio e outras formas de discriminação e violência contra a população LGBTI continuam sendo um dos principais problemas públicos em diversos países. Além disso, deve-se levar em conta questões com importantes repercussões para a economia, como políticas de igualdade de gênero no acesso ao trabalho decente; direitos sexuais e direitos reprodutivos; saúde e educação, bem como mudanças e persistência nas relações interpessoais e na dinâmica do cuidado e da vida doméstica.

Sendo 2020 o ano que marca o início da “Década de Entrega” do que foi acordado nos termos da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), é hora de avaliar o presente e o futuro da política global. É necessário um olhar eclético e atento às múltiplas dinâmicas reunidas na Agenda 2030 para entender e talvez mudar as formas atuais de discriminação, preconceito, exclusão e segregação de mulheres e pessoas LGBTI.

Portanto, gostaríamos de convidar profissionais e pesquisadores de diferentes áreas para contribuir com reflexões sobre o seguinte tema: Quais são os desafios do Brasil e de outros países, nas dimensões doméstica e internacional, em relação às questões de gênero para o período 2020-2030?

Interseções de gênero com os marcadores de raça, etnia, sexualidade e território têm especial importância para entender a produção e reprodução de desigualdades e, portanto, estão no centro da proposta deste dossiê, que busca contribuições sobre os limites e possibilidades de ação para a consecução da Agenda 2030. Também procuramos entender como organismos internacionais, movimentos sociais e organizações da sociedade civil se articulam local e globalmente para o desenvolvimento com base na igualdade de gênero.

O dossiê especial de Mundorama receberá trabalhos, com cerca de 1500 e 3000 palavras, a serem publicados em um fluxo contínuo entre 8 de março de 2020 (Dia Internacional da Mulher) e 28 de junho de 2020 (Dia Internacional do Orgulho LGBTI).

O Dossiê terá como editores Ana Paula Antunes Martins (Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Mulheres da Universidade de Brasília Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Cidadania – anapaulaantunesmartins@gmail.com) e Thiago Gehre Galvão (professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília e, Coordenador do Programa Especial UnB 2030 – thiago.gehre@gmail.com).

Verifique as normas de colaboração aqui – procure segui-las estritamente. Informações adicionais podem ser obtidas pelo email gehre.unb@gmail.com.

Veja esta chamada em inglês e em espanhol.