Os gastos em defesa promoveriam desenvolvimento nacional a partir dos retornos tecnológicos da aquisição, cooperação internacional e pesquisa domésticam mas subestimam as diferenças da dinâmica tecnológica das forças armadas. Os autores de artigo publicado na RBPI Vol. 57 – No. 2 (2014) falam em entrevista sobre a complexidade dessa questão